Anaxímenes de Mileto

Anaxímenes (c. 585 — c. 528 a.C.) foi um filósofo pré-socrático, discípulo de Anaximandro de Mileto e o terceiro pensador da escola de Mileto.

O foco principal de sua filosofia era a busca pela arché, ou seja, a causa e princípio de todas as coisas. Essa corrente filosófica teve início com Tales de Mileto, que afirmava que a arché era a água.

Obras

Anaxímenes escreveu em prosa uma obra chamada Sobre a Natureza, mas poucos fragmentos desta obra são conhecidos.

A filosofia de Anaxímenes foi preservada graças aos doxógrafos, escritores gregos responsáveis por compilar os ditos, aforismos, poesias e o pensamento dos antigos filósofos.

Anaximandro e Anaxímenes, Crônica de Nuremberg
Anaximandro e Anaxímenes, Crônica de Nuremberg, via Wikimedia Commons.

A arché de Anaxímenes

Para Anaxímenes, o princípio de tudo, isto é, a arché é o ar.

Ele concordava com Anaximandro quanto à tese de que a arché deveria ser algo ilimitado e infinito, mas ele entendia que essa arché deveria ser concebida como o Ar Infinito, uma entidade vasta em extensão e presente em todas as coisas do mundo. Em um dos seus fragmentos, ele diz:

Como nossa alma, que é ar, nos governa e sustém, assim também o sopro e o ar abraçam todo o cosmos.

Condensação e rarefação

O ar, segundo Anaxímenes, dá origem a todas as coisas por meio da rarefação e condensação.

A rarefação do ar dá origem ao fogo, e quando condensado, o ar dá origem ao vento, à nuvem, à água e à Terra, que flutua sobre o ar. Quando atinge a máxima condensação, o ar se transforma em pedra. O ar se transforma em inúmeras coisas e formas sem perder sua própria natureza.

Gravura de Anaxímenes
Gravura imaginária do filósofo Anaxímenes de Mileto, Jerome Olgiati, 1580, via Wikimedia Commons.

O ar está em constante movimento, o que sugere que ele também possui vida, e por ser eterno, possui qualidades divinas. Nesse sentido, de acordo com Kirk (1983), Anaxímenes compartilha a mesma visão de Tales de que a matéria tem vida.

Quando o ar está bem distribuído, ele se torna invisível. Sua existência é manifesta através do frio e do calor, do movimento e umidade. De acordo com Anaxímenes, tanto o homem quanto a sua alma são completamente compostos de ar.

Deus para Anaxímenes

Da mesma forma que Tales e Anaximandro desenvolveram a ideia de Deus em consonância com suas arché (água e ápeiron), Anaxímenes também seguiu esse caminho e propôs que os deuses surgiram do ar.

Embora os três filósofos da escola Jônica mencionassem os deuses, eles tentavam apresentar argumentos para sustentar suas teses. É evidente que, nesse estágio inicial da filosofia, ela ainda estava rompendo com a tradição mitológica em que tudo era explicado pelas ações dos deuses. Com os filósofos de Mileto, tudo é explicado pela razão, até mesmo os próprios deuses. Isso ilustra claramente a ruptura da filosofia com o mito.

Considerações finais

Com este breve resumo da filosofia de Anaxímenes, encerra-se aqui a exposição da filosofia da Escola Jônica.

Vimos que os três filósofos da escola jônica compartilham do mesmo espírito filosófico, buscando o princípio originário (arché) do mundo. Embora esse tipo de filosofia possa parecer ultrapassado, não podemos esquecer da importância histórica que eles tiveram. Foram eles os primeiros a investigar racionalmente o mundo.

Referências

BORNHEIM, Gerd A. (Org.) Os filósofos pré-socráticos. São Paulo: Cultrix, 1998.

KIRK, G.S., RAVEN, J.E. e SCHOFIELD, M. Os Filósofos Pré-Socráticos: história crítica e seleção de textos. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1983.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 1 =