Pierre Gassendi

Pierre Gassendi (1592-1655), contemporâneo de Descartes e Hobbes, foi um filósofo, padre, cientista e astrônomo francês, cuja influência no curso da especulação filosófica e científica foi importante e profunda.  Viveu a vida tranquila de um padre estudioso e foi respeitado como matemático e filósofo.

Tanto Locke quanto Newton reconheceram uma dívida para com Gassendi, cujo objetivo principal era denunciar a filosofia puramente dedutiva (axiomática) e dualista de Descartes e substituí-la por uma ciência observacional (indutiva) baseada no monismo físico.

Pierre Gassendi contra Descartes

Pierre Gassendi ofereceu várias críticas ao dualismo mente-corpo proposto por Descartes, sendo a mais reveladora a observação de que a mente, se não fosse extensa (imaterial), não poderia ter conhecimento de coisas extensas (materiais). Somente coisas físicas, disse ele, podem influenciar e ser influenciadas por coisas físicas.

Ele também não conseguia entender por que Descartes gastou tanto tempo provando que existia quando era óbvio que tudo que se move existe. Descartes poderia ter dito: “Eu me movo, logo existo”. De acordo com Gassendi, tal conclusão teria sido uma grande melhoria em relação ao “penso, logo existo”.

Continuando seu ataque a Descartes, Gassendi perguntou, por que os animais “inferiores” podiam se mover muito bem sem a ajuda de uma mente e, no entanto, os humanos precisavam de uma? Por que não, perguntou ele, atribuir as operações atribuídas à mente às funções do cérebro (que é físico)? Em outras palavras, ele não via razão para postular uma mente não extensa (imaterial) para explicar qualquer atividade humana.

O materialismo

Gassendi concluiu que os seres humanos não são nada além de matéria e, portanto, podem ser estudados e compreendidos como qualquer outra coisa no universo.

Ele sugeriu um monismo físico não muito diferente daquele que os primeiros atomistas gregos, como Demócrito e mais tarde os epicuristas, sugeriram. De fato, ele gostava especialmente de Epicuro e dos filósofos epicuristas posteriores, e foi responsável por reviver o interesse por eles. Por exemplo, ele aceitou o princípio epicurista do hedonismo como o único guia razoável para a conduta humana.

Ele reintroduziu na Europa a doutrina epicurista de que o bem moral supremo deveria ser buscado na “tranquilidade da alma”, uma noção que é provavelmente uma progenitora da “paz” de Hobbes.

Por essas razões, Gassendi é frequentemente considerado o fundador do materialismo moderno, mas essa honra poderia facilmente ser dada ao Hobbes contemporâneo de Pierre Gassendi.

Ele considerava as atividades mentais totalmente explicáveis ​​em termos de modificações físicas do cérebro e elaborou uma teoria complexa de “traços” para explicar o comportamento inteligente de homens e animais.

NEWSLETTER

2 comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 1 =

  1. O empirismo radical é uma desgraça humana pois por anteceder o materialismo, antecede, portanto,nossa transformaçao em “coisas” ao extrair a espiritualidade própria do ser humano. Daí até a chegada do totalitarismo é uma questão de tempo.
    O corpo em si é desprovido de leis morais porque é desprovido de ética.