Thomas More

Thomas More foi um advogado, estadista, filósofo e escritor nascido em Londres, em 1478. 

Filho de sir John More, um advogado londrino que mais tarde se tornou juiz, Thomas More foi educado na St. Anthony’s School, uma das melhores escolas de Londres, e foi nomeado pajem na casa do arcebispo John Morton, que o indicou para uma vaga na Universidade de Oxford. More saiu de Oxford após dois anos para estudar Direito em New Inn e Lincoln’s Inn, em Londres.

Cada vez mais envolvido em assuntos públicos, Thomas More tornou-se membro do Parlamento em 1504. Em 1535, Morus recusou-se a aceitar Henrique VIII como líder da Igreja, resultando em sua condenação à pena de morte. Em 1935, foi proclamado santo por Pio XI.

Filosofia

Thomas More pertencia à fase inicial da Renascença inglesa, caracterizada por uma filosofia que refletia o ecletismo, a busca pela simplicidade e uma ênfase na ética. Ele era defensor de uma reforma social, política, educacional, religiosa e filosófica.

Thomas More, profundo conhecedor das línguas clássicas, dedicava-se ao estudo das obras de Aristóteles em grego, possuía domínio do Novo Testamento e dos clássicos em suas línguas originais. Ele expressou críticas aos escolásticos por concentrarem-se excessivamente na lógica e nos universais.

Thomas More

Utopia

No diálogo “A República”, Platão delineou uma cidade ideal que, na realidade, não encontraria existência em nenhum lugar. Da mesma maneira, Thomas More retratou em sua obra principal, “Utopia”, uma sociedade tão idealizada que seria impossível existir na realidade. A palavra “utopia”, de origem grega, indica exatamente um lugar que não tem existência concreta.

Nesta obra, o protagonista é Rafael Hitlodeu, um marinheiro e explorador fictício que alega ter visitado a ilha utópica.

A sociedade utópica descrita por More é caracterizada por princípios igualitários e comunitários.

As propriedades são comuns, e os habitantes compartilham os bens de maneira equitativa.

O trabalho é considerado uma parte essencial da vida, e todos os cidadãos participam ativamente na produção de bens necessários para a comunidade.

A escravidão é condenada, e a educação é valorizada como um meio de alcançar o bem comum.

Além da estrutura social, More aborda questões políticas e critica a corrupção na Europa de sua época, principalmente na Inglaterra. Ele também questiona a ganância, a guerra e a falta de justiça que observa em seu contexto.

Frases

“Pois se você permite que seu povo seja mal educado e que suas maneiras sejam corrompidas desde a infância, e depois os pune pelos crimes aos quais sua primeira educação os dispôs, o que mais se pode concluir disso, senão que você primeiro faz ladrões e depois os pune.”

“Um dos maiores problemas de nosso tempo é que muitos são escolarizados, mas poucos são educados.”

“Ninguém é dono de nada, mas todos são ricos – pois que riqueza maior pode haver do que alegria, paz de espírito e ausência de ansiedade?”

“A bondade e a boa natureza unem os homens de forma mais eficaz e com mais força do que quaisquer acordos, pois assim os compromissos do coração dos homens se tornam mais fortes do que o vínculo e a obrigação das palavras.”

“É errado privar outra pessoa de um prazer para que você mesmo possa desfrutar de um, mas privar-se de um prazer para que você possa aumentar o prazer de outra pessoa é um ato de humanidade pelo qual você sempre ganha mais do que perde.”

“Seja qual for o papel que você assumir, desempenhe-o da melhor forma possível e tire o melhor proveito dele.”

“Não há nada mais inglório do que a glória conquistada pela guerra”

“Eu morro como servo fiel do rei, mas primeiro como servo de Deus.”

NEWSLETTER

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 17 =