Julien de La Mettrie

Julien de La Mettrie foi um filósofo materialista francês que causou grande polêmica em sua época. Ele era conhecido por sua defesa do determinismo, do ateísmo e do hedonismo, e sua crença de que a mente humana não passava de um fenômeno puramente físico. Seus escritos e ideias, considerados extremamente radicais para a época, provocaram a ira da igreja e de outros filósofos, e muitos de seus livros foram proibidos ou queimados publicamente.

Apesar da controvérsia que cercou sua obra, La Mettrie é hoje lembrado como um dos principais representantes do movimento materialista na filosofia francesa do século XVIII. Ele foi um dos primeiros a argumentar que os seres humanos não possuem uma alma imortal e que tudo o que existe na mente é resultado da atividade do cérebro. Sua obra mais famosa, “O Homem Máquina”, é considerada um marco na história do materialismo e influenciou muitos filósofos posteriores, incluindo os pensadores do Iluminismo e do materialismo científico.

Biografia

Julien de La Mettrie (1709-1751) nasceu em 25 de dezembro. Seu pai pretendia que ele se tornasse um padre até que um médico local lhe dissesse que um médico medíocre seria melhor pago do que um bom padre.

Ao receber seu diploma médico, La Mettrie logo se destacou na comunidade médica, escrevendo artigos sobre temas como doenças venéreas, vertigens e varíola. Em 1742 ele obteve uma comissão como médico para o regimento de guardas que serviam na guerra entre a França e a Áustria. Durante uma campanha militar, La Mettrie contraiu uma febre violenta; enquanto melhorava, ele começou a refletir sobre a relação entre a mente e o corpo.

Ao se recuperar de sua doença, La Mettrie escreveu A História natural da Alma (Histoire Naturelle de l’Âme), que enfatizou que a mente está muito mais intimamente relacionada com o corpo do que Descartes havia assumido. Se a mente está completamente separada do corpo e influencia o corpo apenas quando assim o deseja, como explicar os efeitos de coisas como vinho, café, ópio ou mesmo uma boa refeição sobre os pensamentos? La Mettrie foi um dos primeiros filósofos modernos a sugerir que “você é o que você come”. Escreveu ele em uma de suas obras:

A carne crua torna os animais ferozes e teria o mesmo efeito no homem. Isso é tão verdade que os ingleses que comem carne vermelha e sangrenta, e não tão bem passada como a nossa, parecem compartilhar mais ou menos da selvageria devido a esse tipo de comida, e a outras causas que só podem ser inviabilizadas pela educação. Essa selvageria cria na alma orgulho, ódio, desprezo de outras nações, indocilidade e outros sentimentos que degradam o caráter, assim como a comida pesada torna uma mente embotada e pesada, cujos traços habituais são a preguiça e a indolência.

O homem máquina

Para La Mettrie, estava claro que tudo o que influencia o corpo influencia os chamados processos de pensamento, mas La Mettrie foi além. Ele acreditava que não há nada no universo além de matéria e movimento. Sensações e pensamentos também nada mais são do que movimentos de partículas no cérebro. Assim, La Mettrie, como Hobbes e Gassendi, era um materialista.

O livro de La Mettrie A História Natural da Alma foi duramente criticado pelo clero francês. Os sentimentos contra ele eram tão intensos que ele foi forçado ao exílio na Holanda. Enquanto esteve na Holanda, ele escreveu seu livro mais famoso, L’Homme Machine (O homem máquina, 1748). Este livro perturbou tanto o clero holandês que La Mettrie também foi forçado a deixar a Holanda. Felizmente, Frederico, o Grande, ofereceu a La Mettrie uma pensão e refúgio em Berlim. Lá, La Mettrie continuou escrevendo sobre temas médicos até sua morte em 11 de novembro de 1751, aos 41 anos.

O homem máquina de La Mettrie

La Mettrie acreditava que Descartes era um mecanicista, mesmo no que dizia respeito aos humanos, e que seus pensamentos publicados sobre Deus e a alma foram projetados para esconder seus verdadeiros sentimentos do clero e para se salvar da perseguição. De qualquer forma, La Mettrie acreditava que, se Descartes tivesse seguido seu próprio método, ele teria chegado à conclusão de que os humanos, como os animais não humanos, eram autômatos (máquinas). La Mettrie, então, decidiu corrigir o mal-entendido de Descartes sobre os humanos ou fazer o que Descartes queria fazer, mas se absteve de fazer por medo de perseguição.

La Mettrie concluiu seu livro Homem Máquina com a afirmação:

Vamos então concluir corajosamente que o homem é uma máquina, e que em todo o universo existe apenas uma única substância modificada de forma diferente.

A única substância, é claro, era a matéria, e essa crença de que todas as coisas existentes, incluindo os humanos, consistem em matéria e nada mais faz de La Mettrie um monista físico.

Para La Mettrie, acreditar na existência de uma alma imaterial era simplesmente tolo. Segundo La Mettrie, somente um filósofo que não fosse ao mesmo tempo médico poderia postular a existência de uma alma imaterial independente do corpo. A esmagadora evidência da dependência dos chamados eventos mentais em relação aos estados do corpo disponível para os médicos os impediria de abraçar o dualismo.

A diferença entre animais humanos e não humanos

La Mettrie equiparou a inteligência e algumas características da personalidade com o tamanho e a qualidade do cérebro.

Se os humanos podem ser considerados superiores aos animais não humanos, é por causa da educação e do desenvolvimento da linguagem. Como o cérebro dos primatas é quase tão grande e complexo quanto o nosso, segue-se que, se os primatas pudessem aprender a linguagem, eles se pareceriam com os humanos em quase todos os aspectos. A questão é: os primatas podem aprender uma língua? Diz La Mettrie:

Entre os animais, alguns aprendem a falar e cantar; eles se lembram das melodias e tocam as notas exatamente como um músico. Outros, por exemplo, o macaco, mostram mais inteligência, mas não conseguem aprender música. Qual é a razão para isso, exceto algum defeito nos órgãos da fala? Em uma palavra, seria absolutamente impossível ensinar uma língua ao macaco? Eu não penso assim.

O homem máquina

Com treinamento adequado, portanto, humanos e macacos podem se tornar notavelmente semelhantes.

De acordo com La Mettrie, a inteligência foi influenciada por três fatores:

  1. tamanho do cérebro
  2. complexidade do cérebro
  3. educação

Os humanos são tipicamente superiores em inteligência a outros animais porque temos cérebros maiores e mais complexos e porque somos mais bem educados. No entanto, por educação, La Mettrie não significa apenas instrução explícita, mas também os efeitos da experiência cotidiana, por exemplo, nossas interações com outras pessoas.

Dizer que os humanos são moralmente superiores aos animais não humanos é ignorar as atividades humanas mais obscenas como o canibalismo, o infanticídio e as guerras. A religião, fundamentada na crença em um ser supremo, certamente não melhorou a condição humana. É possível, de acordo com La Mettrie, que o ateísmo possa encorajar os humanos a serem mais humanos.

De qualquer forma, os humanos diferem dos animais não humanos apenas em grau, não em tipo: “O homem não é moldado de um barro mais caro; a natureza usou apenas uma massa e apenas variou o fermento”. E essa observação foi feita mais de 100 anos antes de Darwin publicar A Origem das Espécies.

Materialismo e um mundo melhor

De acordo com La Mettrie, a crença na singularidade dos seres humanos e em Deus não é apenas incorreta, mas também responsável pela miséria generalizada. Os humanos estariam muito mais bem servidos aceitando sua continuidade com o mundo animal. Ou seja, devemos aceitar o fato de que, como outros animais, os humanos são máquinas, máquinas complexas, mas ainda assim máquinas.

La Mettrie ousou discutir abertamente aquelas ideias que eram mantidas em particular por muitos filósofos da época. Ao fazer isso, ele ofendeu muitos indivíduos poderosos. Embora seja claro que ele influenciou muitos pensadores posteriores, suas obras raramente foram citadas ou seu nome sequer mencionado.

NEWSLETTER

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + 18 =