Mestre Eckhart

Eckhart de Hochheim, também conhecido como Mestre Eckhart, foi um filósofo, teólogo e místico cristão, nascido em Tambach, Turíngia, em 1260, e morreu em 1327.

Após entrar na ordem dominicana em sua juventude, realizou seus estudos em Colônia e Paris. Ascendeu aos cargos de prior provincial da ordem dominicana na Saxônia, vigário-geral na Boêmia e superior-geral em toda a Alemanha, alcançando este último posto em 1312.

Nos últimos anos de sua vida, Mestre Eckhart enfrentou acusações de heresia. Em 1329, o Papa João XXII considerou onze de suas teses como imprudentes e as demais como heréticas. Apesar disso, a influência de Eckhart persistiria de maneira significativa no contexto do misticismo medieval.

A mística especulativa

No século XIV, a teologia racional, respaldada pelos eminentes filósofos gregos, enfrentou uma profunda crise, gerando a urgência de restabelecer um vínculo mais íntimo entre o ser humano e Deus através da fé. A razão perdeu sua posição de suficiência na consolidação dessa união, dando espaço para o despertar do misticismo especulativo. É neste contexto que surge a figura de Mestre Eckhart.

Deus

Eckhart defendeu um conceito de Deus e do universo que não apenas se baseava em teologia e metafísica, mas também em sua interpretação da experiência mística

Ele fez uma distinção entre Deus, representado nas três pessoas da Trindade, e a Divindade (Deitas), que é o fundamento de Deus, mas indescritível. A Divindade se manifesta através de um processo eterno nas Pessoas da Trindade. 

Da mesma forma, Eckhart fez uma distinção entre as faculdades da alma e o “fundamento” da alma, também conhecido como Fünklein, centelha ou Grund. Através da contemplação, é possível alcançar esse Fundamento, deixando de lado as atividades discursivas e imaginativas que caracterizam a vida consciente. Ao fazer isso, a pessoa se unifica com a Divindade. 

Eckhart explicou que a Divindade é inefável, uma vez que é uma unidade pura e, portanto, não pode ser descrita. No entanto, o principal foco de sua doutrina estava na experiência mística, que envolve um estado mental indescritível em termos de pensamentos ou imagens.

A alma

A necessidade de abordar o conhecimento contemplativo impulsionou Eckhart a elaborar uma psicologia complexa. 

  • Para ele, a alma opera em um patamar mais elementar, através do corpo, exercendo poderes de digestão, assimilação e sensação. 
  • Em um nível superior, a alma manifesta-se por meio dos poderes da raiva, do desejo e do intelecto inferior (o sensus communis ou “senso comum”). 
  • Em um terceiro nível, a alma atua por meio da memória, da vontade e do intelecto superior. 
  • No quarto nível, é teoricamente possível conhecer as coisas de maneira totalmente abstrata, ou seja, como formas puras, ou seja, conhecê-las como elas preexistem no intelecto de Deus.
  • Por fim, a alma pode alcançar um tipo de conhecimento no qual Deus é percebido tal como Ele é.

Frases

“O olho pelo qual eu vejo Deus é o mesmo olho pelo qual Deus me vê; meu olho e o olho de Deus são um só olho, uma só visão, um só conhecimento, um só amor.”

“A espiritualidade não deve ser aprendida fugindo do mundo, ou fugindo das coisas, ou se tornando solitário e se afastando do mundo. Em vez disso, precisamos aprender uma solidão interior, onde quer que estejamos ou com quem quer que estejamos. Precisamos aprender a penetrar nas coisas e encontrar Deus lá.”

“Os teólogos podem brigar, mas os místicos do mundo falam a mesma língua.”

“Nada em toda a criação é tão parecido com Deus quanto a quietude.”

“Na verdade, é na escuridão que se encontra a luz, portanto, quando estamos tristes, essa luz é a mais próxima de nós.”

“Se a única oração que você fizesse em toda a sua vida fosse “obrigado”, isso seria suficiente.”

“A oração mais poderosa, quase onipotente, e o trabalho mais digno de todos é o resultado de uma mente tranquila. Quanto mais silenciosa ela for, mais poderosa, mais digna, mais profunda, mais reveladora e mais perfeita será a oração. Para a mente tranquila, todas as coisas são possíveis. O que é uma mente tranquila? Uma mente tranquila é aquela sobre a qual nada pesa, nada preocupa, que, livre de amarras e de toda busca própria, está totalmente integrada à vontade de Deus e morta para a sua própria vontade.”

“Deus não quer nada de você, a não ser a dádiva de um coração pacífico.”

Referências

Ninian Smart. Eckhart, Meister. Encyclopedia of Philosophy.

REALE, Giovanni; ANTISERI, Dário. História da Filosofia: Patrística e Escolástica. Vol. 2. São Paulo: Paulus, 2005.

NEWSLETTER

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze + doze =