Étienne Bonnot de Condillac

Biografia de Étienne Bonnot de Condillac

Étienne Bonnot de Condillac (1714–1780) nasceu em 30 de setembro em uma família aristocrática em Grenoble. Ele foi contemporâneo de Hume e Rousseau, que tinham mais ou menos a sua idade, e de Voltaire, que era cerca de 20 anos mais velho. Ele foi educado em um seminário jesuíta em Paris, mas logo após sua ordenação como padre, ele começou a frequentar os salões literários e filosóficos de Paris e gradualmente perdeu o interesse em sua carreira religiosa. Na verdade, ele se tornou um crítico ferrenho dos dogmas religiosos.

Principais obras

Condillac traduziu o Ensaio acerca do Entendimento Humano de Locke para o francês, e o título de seu primeiro livro indica uma profunda apreciação pela filosofia empírica de Locke: Ensaio sobre a Origem do Conhecimento Humano: Um Suplemento ao Ensaio do Sr. Locke sobre o Entendimento Humano (1746).

Oito anos depois, em seu Tratado das Sensações (1754), Condillac sugeriu que Locke havia atribuído desnecessariamente muitos poderes inatos à mente. Condillac estava convencido de que todos os poderes que Locke atribuía à mente podiam ser derivados simplesmente das habilidades de sentir, lembrar e experimentar prazer e dor.

O sensismo

Para Condillac, não apenas todas as nossas ideias são derivadas da sensação, mas todas as atividades da mente são meras transformações de sensações: uma memória, por exemplo, é um mero efeito posterior da sensação e a atenção é a ocupação da consciência por uma sensação com exclusão de outras. Tal doutrina ficou recebeu o nome de sensismo, ou sensualismo.

Condillac expõe essa doutrina pelo artifício de imaginar uma estátua sendo gradualmente dotada de sentidos, primeiro olfato, depois tato e assim por diante.

A estátua de Condillac

Para demonstrar seu ponto de vista, Condillac pediu a seus leitores que imaginassem uma estátua de mármore que pudesse sentir, lembrar e perceber, mas que tivesse apenas o sentido do olfato.

A vida mental da estátua consiste apenas em odores; ela não pode ter nenhuma concepção de coisas externas a si mesmo, nem pode ter sensações de cor, som ou sabor.

A estátua tem a capacidade de atenção porque atenderá a qualquer odor que experimente. Com a atenção vem o sentimento, porque atender a um odor agradável causa prazer e atender a um odor desagradável causa uma sensação desagradável.

Se a estátua tivesse apenas uma experiência agradável ou desagradável contínua, ela não poderia experimentar o desejo porque não teria nada com que comparar a experiência. Se, no entanto, uma sensação agradável terminasse, lembrando-se dela, a estátua poderia desejar que ela voltasse. Da mesma forma, se uma experiência desagradável terminasse, lembrando-se dela, a estátua poderia desejar que ela não voltasse.

Para Condillac, então, todo desejo é baseado nas experiências de prazer e dor. A estátua adora experiências agradáveis ​​e odeia as desagradáveis. A estátua, dada a capacidade de lembrar, pode não apenas sentir odores atuais, mas também lembrar dos odores experimentados anteriormente. Normalmente, o primeiro fornece uma sensação mais vívida do que o último.

Quando a estátua cheira uma rosa em um momento e um cravo em outro, ela tem a base de comparação. A comparação pode ser feita cheirando um e lembrando do outro ou lembrando ambos os odores. Com a capacidade de comparar vem a capacidade de ser surpreendido. A surpresa é vivida sempre que uma experiência que a estátua tem se afasta radicalmente daquelas a que está acostumada: Ela não pode deixar de notar a mudança quando passa de repente de um estado ao qual está acostumada a um estado completamente diferente, do qual ainda não tem idéia”.

Também com a capacidade de comparar vem a capacidade de julgar. Tal como acontece com a lembrança em geral, quanto mais comparações e julgamentos a estátua faz, mais fácil se torna. As sensações são lembradas na ordem em que ocorrem; as memórias, então, formam uma cadeia. Esse fato permite que a estátua evoque memórias distantes passando de uma ideia para outra até que a ideia mais distante seja evocada.

Segundo Condillac, sem antes evocar ideias intermediárias, memórias distantes seriam perdidas. Se a estátua se lembrar das sensações na ordem em que ocorreram, o processo é chamado de recuperação. Se eles são lembrados em uma ordem diferente, é chamado de imaginação. Sonhar é uma forma de imaginação. Recuperar ou imaginar o que é odiado causa medo. Recuperar ou imaginar o que é amado causa esperança. A estátua, tendo tido várias sensações, agora pode perceber que elas podem ser agrupadas de várias maneiras, como intensas, fracas, agradáveis ​​e desagradáveis.

Quando as sensações ou memórias são agrupadas em função do que têm em comum, a estátua formou ideias abstratas, por exemplo, prazer. Também ao notar que algumas sensações ou lembranças duram mais que outras, a estátua desenvolve a ideia de duração.

O eu, ego ou personalidade da estátua consiste em suas sensações, suas memórias e suas outras habilidades mentais. Com suas memórias, é capaz de desejar outras sensações além da que está tendo agora; ou ao se lembrar de outras sensações, pode desejar que sua sensação atual continue ou termine. Experiências (neste caso, odores) nunca vivenciadas não podem fazer parte da vida mental da estátua, que consiste apenas em suas sensações e suas memórias de sensações.

Claramente, Condillac não estava escrevendo sobre estátuas, mas discutindo como as habilidades mentais humanas poderiam ser derivadas de sensações, memórias e alguns sentimentos básicos. Os humanos, é claro, têm mais de uma modalidade de sentido; esse fato torna os humanos muito mais complexos do que a estátua, mas o princípio é o mesmo.

Não havia necessidade, portanto, de Locke e outros postularem uma série de poderes inatos da mente. Segundo Condillac, os poderes da mente se desenvolvem como consequência natural da sensação:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 + 2 =