Thomas Kuhn

Até recentemente, acreditava-se amplamente que o método científico garantia a objetividade e que a ciência produzia informações de forma constante e progressiva. Presumiu-se que o mundo consiste de “verdades” conhecidas e que seguir procedimentos científicos permitia à ciência aproximar-se sistematicamente dessas verdades.

Em outras palavras, a atividade científica foi orientada pela teoria da verdade como correspondência, que é a concepção de que o objetivo final, ao avaliar as leis ou teorias científicas, é determinar se elas correspondem ou não a um mundo externo, independente da mente”. Thomas Kuhn (1922-1996) mudou essa concepção da ciência ao mostrar que a ciência é um empreendimento altamente subjetivo.

Paradigmas segundo Thomas Kuhn

De acordo com Thomas Kuhn, nas ciências físicas um determinado ponto de vista é comumente compartilhado pela maioria dos membros de uma ciência; em física ou química, por exemplo, a maioria dos pesquisadores também compartilha um conjunto comum de suposições ou crenças sobre sua área. Kuhn se refere a um ponto de vista tão amplamente aceito como um paradigma.

Embora ele empregasse o termo paradigma de várias maneiras, a maioria das vezes ele o define como “toda a constelação de crenças, valores, técnicas, etc., compartilhados pelos membros de uma determinada comunidade científica”. Para aqueles cientistas que aceitam um paradigma, ele se torna a forma de olhar e analisar o objeto de sua ciência.

Ciência normal

Uma vez aceito um paradigma, as atividades daqueles que o aceitam se tornam uma questão de explorar as implicações desse paradigma. Kuhn se referiu a tais atividades como Ciência Normal.

A ciência normal fornece o que Kuhn chamou de operação de limpeza do paradigma. Ao seguir um paradigma, os cientistas exploram em profundidade os problemas definidos pelo paradigma e utilizam as técnicas sugeridas pelo paradigma enquanto exploram esses problemas.

Kuhn comparou a ciência normal à resolução de quebra-cabeças. Como quebra-cabeças, os problemas da ciência normal têm uma solução assegurada, e existem regras que limitam tanto a natureza das soluções aceitáveis quanto os passos pelos quais elas devem ser obtidas.

Kuhn não via nem a ciência normal nem a resolução de quebra-cabeças como envolvendo muita criatividade. Ele disse:

Talvez a característica mais marcante dos… problemas normais de pesquisa… seja o quão pouco eles visam produzir grandes novidades, conceituais ou fenomenais”.

A Estrutura das Revoluções Científicas

Embora um paradigma restrinja a gama de fenômenos que os cientistas examinam, ele garante que certos fenômenos sejam estudados minuciosamente.

Ao concentrar a atenção em uma pequena gama de problemas relativamente esotéricos, o paradigma força os cientistas a investigar alguma parte da natureza em um detalhe e profundidade que de outra forma seria inimaginável…. os membros da profissão terão resolvido problemas que mal poderiam ter imaginado e cuja solução nunca teriam empreendido sem o comprometimento com o paradigma. E pelo menos parte dessa conquista sempre se revela permanente.

A Estrutura das Revoluções Científicas

Esse é o lado positivo de ter a pesquisa guiada por um paradigma, mas há também um lado negativo. Embora a ciência normal permita a análise completa dos fenômenos sobre os quais um paradigma se concentra, ela cega os cientistas para outros fenômenos e, talvez, para as melhores explicações sobre o que eles estão investigando.

As operações de limpeza são o que envolve a maioria dos cientistas ao longo de suas carreiras. Eles constituem o que estou chamando aqui de ciência normal. Examinado de perto, seja historicamente ou no laboratório contemporâneo, esse empreendimento parece uma tentativa de forçar a natureza na caixa pré-formada e relativamente inflexível que o paradigma fornecia. Nenhuma parte do objetivo da ciência normal é suscitar novos tipos de fenômenos; na verdade, aqueles que não cabem na caixa geralmente não são vistos. Nem os cientistas normalmente pretendem inventar novas teorias, e muitas vezes são intolerantes com aquelas inventadas por outros. Em vez disso, a pesquisa científica normal é direcionada para a articulação daqueles fenômenos e teorias que o paradigma já fornece.

A Estrutura das Revoluções Científicas

Um paradigma, então, determina o que constitui um problema de pesquisa e como a solução para esse problema é buscada. Em outras palavras, um paradigma orienta todas as atividades do pesquisador. Mais importante, porém, é que os pesquisadores se envolvam emocionalmente em seu paradigma; torna-se parte de suas vidas.

Como os paradigmas científicos mudam?

De acordo com Thomas Kuhn, não muito facilmente. Primeiro, deve haver observações persistentes que um paradigma atualmente aceito não pode explicar; estas são chamadas de anomalias.

Normalmente, um único cientista ou um pequeno grupo de cientistas proporá um ponto de vista alternativo, que explicará a maioria dos fenômenos que o paradigma prevalecente explica e também explicará as anomalias.

Kuhn indicou que normalmente há uma grande resistência ao novo paradigma e que os convertidos a ele são conquistados muito lentamente. Eventualmente, no entanto, o novo paradigma vence e substitui o antigo. De acordo com Kuhn, isso descreve o que aconteceu quando Einstein desafiou a concepção newtoniana do universo. Agora, o paradigma einsteiniano está gerando sua própria ciência normal e continuará a fazê-lo até que seja derrubado por outro paradigma.

Kuhn retratou a ciência como um método de investigação que combina o método científico objetivo e a composição emocional do cientista. A ciência progride, segundo Kuhn, porque os cientistas são forçados a mudar seus sistemas de crenças; e os sistemas de crenças são muito difíceis de mudar, seja para um grupo de cientistas ou para qualquer outra pessoa.

As Etapas do Desenvolvimento Científico

Segundo Kuhn, o desenvolvimento de um paradigma que venha a dominar uma ciência ocorre ao longo de um longo período de tempo.

Antes do desenvolvimento de um paradigma, uma ciência normalmente passa por um estágio pré-paradigmático durante o qual existem vários pontos de vista concorrentes. Nesse período, que Kuhn chamou de pré-científico, uma disciplina é caracterizada por uma série de campos ou escolas rivais, situação contrária à unificação e que resulta, essencialmente, na coleta aleatória de fatos. Tais circunstâncias continuam a existir até que uma escola consiga derrotar seus concorrentes e se torne um paradigma.

Neste ponto, a disciplina se torna uma ciência, e começa um período de ciência normal. A ciência normal gerada pelo paradigma continua até que o paradigma seja deslocado por um novo, o que, por sua vez, gerará sua própria ciência normal. Kuhn viu as ciências passando por três fases distintas:

  • fase préparadigmática, durante a qual campos ou escolas rivais competem pelo domínio;
  • fase paradigmática, durante o qual ocorre a atividade de resolução de quebra-cabeças chamada ciência normal;
  • fase revolucionária, durante a qual um paradigma existente é substituído por outro paradigma.

NEWSLETTER

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × três =