Plotino

Plotino (ca. 205-270) foi um importante filósofo neoplatônico nascido no Egito, que encontrou refúgio no mundo espiritual: “Ele estava em harmonia com todos os homens mais sérios de sua época. Para todos eles, cristãos e pagãos, o mundo dos assuntos práticos parecia não oferecer esperança, e apenas o Outro Mundo parecia digno de lealdade” (Russell, 1945, p. 284). Como Plotino sempre desviou a atenção de sua vida pessoal para sua filosofia, poucos detalhes de sua vida são conhecidos.

O Uno

Plotino organizou todas as coisas em uma hierarquia, no topo da qual estava o Uno, ou Deus. O Uno era supremo e incognoscível. Em seguida, na hierarquia, estava o Espírito, que era a imagem do Uno. Era o Espírito que fazia parte de cada alma humana, e foi refletindo sobre ele que pudemos chegar perto de conhecer o Uno.

O terceiro e mais baixo membro da hierarquia era a Alma. Embora a Alma fosse inferior ao Uno e ao Espírito, era a causa de todas as coisas que existiam no mundo físico.

As emanações do Uno

Do Uno emanou o Espírito, e do Espírito emanou a Alma, e da Alma emanou a natureza. Quando a Alma entrou em algo material, como um corpo, ela tentou criar uma cópia do Espírito, que era uma cópia do Uno.

Porque o Uno foi refletido no Espírito, o Espírito foi refletido na Alma, e a Alma criou o mundo físico, o Incognoscível era uma parte muito importante da natureza.

Corpo e Alma

Como Platão e todos os outros neoplatônicos, Plotino via o corpo como a prisão da alma. Através de intensa meditação, a alma pode ser libertada do corpo e habitar entre o eterno e o imutável. Plotino acreditava que todos os humanos eram capazes de tais experiências transcendentais e os encorajou a tê-las porque nenhuma outra experiência era mais importante ou satisfatória.

À definição estoica da boa vida como a aceitação tranquila do próprio destino e a busca de prazer do epicurista, podemos agora acrescentar uma terceira sugestão – o afastamento do mundo empírico para entrar em união com aquelas coisas eternas que residem além do mundo da carne. A teoria de Plotino não era cristã, mas influenciou fortemente o pensamento cristão subsequente.

Plotino e Platão

Embora Plotino estivesse geralmente de acordo com a filosofia de Platão, ele não compartilhava da  opinião de Platão sobre a experiência sensorial. Em vez disso, ele acreditava que o mundo sensível era belo e deu como exemplos a arte, a música e os seres humanos atraentes. Não que o mundo sensível fosse mau; era simplesmente menos perfeito que o mundo espiritual.

Embora a filosofia de Plotino fosse mais tolerante com os dados dos sentidos do que o platonismo, Plotino ainda concluiu que o mundo físico era uma cópia inferior do reino divino. Ele também seguiu Platão ao acreditar que, quando a alma entrou no corpo, ela se fundiu com algo inferior a si mesma, e assim a verdade que ela continha foi obscurecida. Devemos aspirar a aprender sobre o mundo além do mundo físico, o mundo abstrato do qual o mundo físico foi derivado. É somente além do mundo físico que as coisas são eternas, imutáveis e em estado de bem-aventurança.

O passo do neoplatonismo para o cristianismo primitivo não foi grande ou difícil. Para o cristão, o Outro Mundo dos neoplatônicos tornou-se o reino de Deus a ser desfrutado após a morte.

Referências

Russell, B. (1945). A history of Western philosophy. New York: Simon & Schuster.

NEWSLETTER

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 + 20 =