Pirro de Élis

Biografia

Pirro, nascido em torno de 360 a.C. na cidade de Élis, foi um filósofo grego e fundador do ceticismo e do pirronismo.

Seu primeiro contato com a filosofia ocorreu por meio dos escritos de Demócrito. Durante sua expedição ao Oriente em 334 a.C., acompanhado por Anaxarco e Alexandre, o Grande, Pirro teve a oportunidade de conhecer os gimnosofistas, sábios da Índia, e aprendeu com eles a perspectiva de que tudo na vida é vaidade. Em 324 a.C., ele retornou a Élis, onde começou a ensinar e a viver.

Pirro não fundou uma Escola filosófica, mas conquistou admiradores de seus ensinamentos, que mais tarde tornaram-se seus discípulos.

Ele não deixou nada escrito. Sua filosofia foi preservada e transmitida por meio de seus discípulos.

Principais ideias de Pirro

Pirro afirmava que para se alcançar a felicidade é necessário observar três coisas:

  1. Refletir como as coisas são por natureza;
  2. Questionar qual deve ser nossa atitude diante delas;
  3. Pensar nas consequências de nossas atitudes;

Tímon, discípulo de Pirro, lista alguns pontos da filosofia do seu mestre, são eles:

  1. As coisas são indiferentes, não possuem estabilidades e são indiscriminadas. Logo, nossas opiniões não são verdadeiras nem falsas;
  2. Se as nossas opiniões não são verdadeiras nem falsas, então devemos manter-nos sem opiniões (afasia) e inclinações, sem nos perturbarmos em relação à realidade das coisas;
  3. Quem conseguir seguir isso à risca irá conquistar a imperturbabilidade da alma (ataraxia), a apatia.

O ceticismo

A tese central de Pirro de Élis e do Ceticismo, de um modo geral, reside na ideia de que a verdade não existe. Essa doutrina pode ser fundamentada nas divergências de opiniões entre os filósofos. Não há consenso, cada um pensa de maneira diferente. Diante disso, questiona-se: para que se preocupar com todos os problemas filosóficos?

A base do ceticismo é a noção de que o ser humano não possui certeza alguma, pois é incapaz de conhecer algo concretamente.

Portanto, o homem é incapaz de ter conhecimento sobre a verdadeira natureza das coisas. Por essa razão, é recomendado que ele evite desperdiçar seu tempo em julgamentos e na busca pelo conhecimento da realidade, uma vez que essas atividades só trazem perturbação e preocupação.

Por fim, é aconselhável que o homem abandone todas as opiniões e viva livre de preocupações, pois a ataraxia é considerada a atitude mais apropriada.

Após a morte de Platão, o ceticismo começou a ganhar influência na Academia, e os princípios metafísicos de Platão, como a teoria das formas, foram gradualmente perdendo relevância.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − cinco =