fbpx

Juízos de fato e juízos de valor

Juízos de fato e juízos de valor são conceitos fundamentais na filosofia, ética, lógica e em diversas áreas de conhecimento. Eles estão presentes em nosso dia a dia, e compreendê-los é importante para organizarmos adequadamente nossos argumentos ou para avaliarmos os discursos de terceiros.

Juízos de fato

Os juízos de fato são declarações que afirmam se algo é verdadeiro ou falso. Eles descrevem a realidade objetivamente e são verificáveis através de evidências ou provas. Alguns exemplos de juízos de fato são:

  • O sol nasceu hoje às 6h45;
  • A Terra é redonda;
  • O ser humano precisa de água e alimentos para sobreviver;

Esses juízos são considerados objetivos, pois sua veracidade pode ser comprovada ou refutada por observações, ou experimentos. Eles não dependem de valores pessoais ou opiniões subjetivas.

Foto do planeta terra tirada da lua
A esfericidade da Terra, via Pixabay.

Juízos de valor

Os juízos de valor, por outro lado, são declarações que expressam uma opinião ou avaliação subjetiva sobre algo. Eles são baseados em valores, crenças e sentimentos pessoais, e não podem ser comprovados ou refutados por meio de evidências objetivas. Alguns exemplos de juízos de valor são:

  • O filme é ótimo;
  • Sócrates foi um bom homem;
  • O quadro de Mona Lisa é belo;

Esses juízos são considerados subjetivos, pois sua validade depende das crenças e valores de cada indivíduo. Eles são influenciados por fatores culturais, sociais, históricos e pessoais.

Quadro de Mona Lisa, por Leonardo da Vinci
Julgar se uma arte é bela ou não é um juízo de valor. Mona Lisa, Leonardo da Vinci, c.1503, via Wikiart. Imagem de Domínio Público.

Diferenças entre juízos de fato e juízos de valor

Em resumo, as principais diferenças desses conceitos são:

  1. Objetividade x subjetividade: Os juízos de fato são objetivos, pois pretendem descrever a realidade imparcialmente e verificável. Já os juízos de valor são subjetivos, dependentes dos valores e crenças pessoais.
  2. Verificabilidade: Os juízos de fato podem ser comprovados ou refutados por meio de evidências objetivas, enquanto os de valor não podem ser comprovados ou refutados por meio de provas objetivas.
  3. Universalidade: Os juízos de fatos, por serem verificáveis e descreverem a realidade como ela é, são universalmente válidos, quer dizer, são independentes das opiniões ou crenças pessoais. Já os juízos de valor são válidos apenas para quem os emite, e podem variar conforme a perspectiva de cada indivíduo.
  4. Neutralidade: Os juízos de fato são neutros e não expressam opiniões. Já os de valor expressam uma opinião subjetiva e envolvem valores pessoais.

NEWSLETTER

Um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito + dezesseis =