James Mill

James Mill (1773-1836), foi um filósofo escocês nascido em 6 de abril. Em sua infância, estudou em uma escola paroquial, em seguida ingressou na Universidade de Edimburgo.

Em 1802 ele se mudou para Londres para iniciar uma carreira literária, tornando-se editor do Jornal Literário e escrevendo para vários periódicos. Com a publicação de talvez sua maior realização literária, A História da Índia Britânica, que começou a escrever em 1806 e terminou em 1817, Mill entrou em uma carreira de sucesso na Companhia das Índias Orientais.

A contribuição mais significativa de Mill foi a obra Análise dos Fenômenos da Mente Humana, que surgiu originalmente em 1829 e foi revisada sob a redação de seu filho John Stuart Mill em 1869. A Análise de Mill é considerada como o resumo mais completo do associacionismo. Como veremos, a análise de associação de Mill foi influenciada por Hume e especialmente por Hartley.

Utilitarismo e associativismo

Em 1808, James Mill conheceu Jeremy Bentham (1748-1832), e os dois se tornaram amigos. Bentham foi o principal porta-voz do movimento político e ético britânico chamado utilitarismo. Bentham rejeitou todos os argumentos metafísicos e teológicos a favor do governo, da moralidade e das instituições sociais e, em vez disso, tomou o antigo conceito de hedonismo (da palavra grega hedone, que significa “prazer”) e fez dele a pedra angular de sua teoria política e ética. Diz ele em uma de suas obras:

A natureza colocou a humanidade sob o governo de dois mestres soberanos, dor e prazer. É somente a eles que cabe apontar o que devemos fazer. Por um lado, o padrão de certo e errado, por outro, a cadeia de causas e efeitos, são fixados em seu trono. Eles nos governam em tudo o que fazemos, em tudo o que dizemos, em tudo o que pensamos: todo o esforço que pudermos fazer para destituir sua sujeição servirá apenas para demonstrá-la e confirmá-la.

Introdução aos princípios da moral e da legislação

Assim, Bentham definiu a felicidade humana inteiramente em termos da capacidade de obter prazer e evitar a dor. Da mesma forma, o melhor governo foi definido como aquele que traz a maior quantidade de felicidade para o maior número de pessoas.

Embora o utilitarismo estivesse implícito nas filosofias de alguns dos primeiros empiristas britânicos, foi Bentham que aplicou o hedonismo à sociedade como um todo. Os esforços de Bentham foram altamente influentes e resultaram em uma série de reformas nas instituições legais e sociais.

James Mill foi um dos discípulos mais entusiastas de Bentham, e em breve veremos como o utilitarismo entrou na versão do associacionismo de Mill. Mill é mais conhecido, contudo, pela sua visão Newtoniana, mecanicista, e elementista da mente.

O associacionismo de James Mill

Depois de Hartley, Mill tentou mostrar que a mente consistia apenas em sensações e ideias mantidas juntas pela contiguidade. Também depois de Hartley, Mill disse que as ideias complexas são compostas por ideias simples. No entanto, quando as ideias são continuamente experimentadas em conjunto, a associação entre elas torna-se tão forte que aparece na consciência como uma ideia.

Todas as coisas a que nos referimos como objetos externos são conjuntos de sensações que foram consistentemente experimentadas em conjunto. Em outras palavras, são ideias complexas e, como tais, são redutíveis a ideias simples.

Mill apontou explicitamente o que estava mais implícito nas filosofias de outros “newtonianos da mente”, como Locke, Berkeley, Hume e Hartley. Ou seja, por mais complexa que uma ideia se torne, ela sempre pode ser reduzida às ideias simples de que é construída. Ideias simples podem ser adicionadas a outras ideias simples, tornando uma ideia complexa; ideias complexas podem ser adicionadas a ideias complexas, tornando uma ideia ainda mais complexa; e assim por diante. Ainda assim, na base de toda experiência mental estão as sensações e as ideias que elas iniciam.

Os determinantes da força das associações

Mill acreditava que dois fatores causavam variação na força das associações: vivacidade e frequência. Ou seja, as sensações ou ideias mais vívidas formam associações mais fortes do que as menos vívidas; e sensações e ideias pareadas com mais frequência formam associações mais fortes do que aquelas pareadas com menos frequência. Mill referiu-se à frequência ou repetição como “a causa mais notável e importante da força de nossas associações”.

No que diz respeito à vivacidade, Mill disse que

  1. As sensações são mais vívidas do que as ideias e, portanto, as associações entre as sensações são mais fortes do que as entre as ideias;
  2. As sensações e ideias associadas ao prazer ou à dor são mais vívidas e, portanto, formam associações mais fortes do que as sensações e ideias não relacionadas ao prazer ou à dor;
  3. As ideias recentes são mais vívidas e, portanto, formam associações mais fortes do que as ideias mais remotas.

A influência de James Mill

A Análise de Mill é considerada o resumo mais completo do associacionismo. Como vimos, ele tentou mostrar que a mente consistia apenas de sensações e ideias mantidas juntas pela contiguidade. Ele insistia que qualquer experiência mental poderia ser reduzida às ideias simples que a compunham. Assim, ele nos deu uma concepção da mente baseada na física newtoniana. Para Newton, o universo poderia ser entendido como consistindo de elementos materiais mantidos juntos por forças físicas e se comportando de maneira previsível. Para Mill, a mente consistia em elementos mentais mantidos juntos pelas leis da associação; portanto, a experiência mental era tão previsível quanto os eventos físicos.

James Mill não acrescentou nada de novo ao associacionismo. Seu objetivo declarado era fornecer evidências para o associacionismo que faltava no relato de Hartley. Isso ele fez e, ao fazê-lo, levou o associacionismo à sua conclusão lógica; muitos acreditam, no entanto, que a elaboração detalhada do associacionismo de Mill o expôs como um absurdo. De qualquer forma, a mente vista por Mill (e por Hartley) era completamente passiva; isto é, não tinha habilidades criativas.

A associação era o único processo que organizava as ideias, e o fazia automaticamente. Essa concepção da mente, às vezes chamada de “física mental” ou “mecânica mental”, terminou essencialmente com James Mill. De fato, como veremos a seguir, o filho de James Mill, John Stuart Mill, foi um dos primeiros a revisar a visão puramente mecanicista e elementar de seu pai.

NEWSLETTER

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − 3 =