Auguste Comte

Biografia de Auguste Comte

Auguste Comte (1798-1857), nascido na cidade francesa de Montpellier em 19 de janeiro, cresceu no período de grande turbulência política que se seguiu à Revolução Francesa de 1789-1799. Em agosto de 1817, Comte conheceu o filósofo social Henri de Saint-Simon (1760-1825), que converteu Comte de um ardente defensor da liberdade e da igualdade em um defensor de uma visão mais elitista da sociedade. Os dois homens colaboraram em vários ensaios, mas após uma discussão amarga, eles se separaram em 1824.

Em abril de 1826, Comte começou a dar palestras em sua casa sobre sua filosofia positivista – isto é, a tentativa de usar os métodos das ciências físicas para criar uma ciência da história e do comportamento social humano. Suas palestras foram assistidas por vários indivíduos ilustres, mas depois de apenas três palestras, Comte sofreu um sério colapso mental. Apesar de ter sido tratado em um hospital por um tempo, ele caiu em profunda depressão e até tentou suicídio. Ele foi incapaz de retomar suas palestras até 1829.

Problemas financeiros, falta de reconhecimento profissional e dificuldades conjugais combinaram-se para levar Comte de volta ao isolamento. Entre 1830 e 1842, seu tempo foi gasto principalmente na escrita de sua obra de seis volumes, Cours de Philosophe Positive (O Curso de Filosofia Positiva, 1830-1842). O Cours de Comte foi traduzido para o inglês pela filósofa-feminista Harriet Martineau (1802-1876) em 1853. Como resultado do Cours, Comte começou a atrair alguns admiradores, entre eles John Stuart Mill. No entanto, logo após a publicação do Cours, a esposa de Comte o deixou.

Em 1844 conheceu e apaixonou-se por Clotilde de Vaux e, embora ela tenha morrido de tuberculose logo depois de se conhecerem, prometeu dedicar o resto da vida à sua memória. Logo depois, ele começou a escrever Système de Politique Positive (Sistema de Política Positiva), no qual Comte introduziu sua religião da humanidade.

Positivismo de Comte

De acordo com Comte, a única coisa de que podemos ter certeza é daquilo que é publicamente observável, isto é, experiências sensoriais que podem ser compartilhadas com outros indivíduos. Os dados da ciência são observáveis publicamente e, portanto, podem ser confiáveis. Por exemplo, as leis científicas são declarações sobre como os eventos empíricos variam juntos e, uma vez determinados, podem ser experimentados por qualquer parte interessada. A insistência de Comte em equiparar conhecimento com observações empíricas foi chamada de positivismo.

Comte era um reformador social e estava interessado na ciência apenas como meio de melhorar a sociedade. O conhecimento, científico ou não, não era importante a menos que tivesse algum valor prático. Comte escreveu: “Tenho uma aversão suprema aos trabalhos científicos cuja utilidade, direta ou remota, não vejo”.

De acordo com Comte, a ciência deveria procurar descobrir as relações entre os fenômenos físicos. Uma vez que tais leis naturais sejam conhecidas, elas podem ser usadas para prever e controlar eventos e, assim, melhorar a vida. Um dos slogans favoritos de Comte era “Conhecer para prever”.

A abordagem de Comte à ciência era muito parecida com a sugerida anteriormente por Francis Bacon. De acordo com Comte e Bacon, a ciência deve ser prática e não especulativa. Comte disse a seus leitores que existem dois tipos de afirmações: “Uma se refere aos objetos dos sentidos, e é uma afirmação científica. A outra é um absurdo”.

Lei dos três estados

Segundo Comte, as sociedades passam por etapas que são definidas em função da forma como seus membros explicam os eventos naturais.

O primeiro estágio, e o mais primitivo, é teológico, e as explicações são baseadas na superstição e no misticismo. No segundo estágio, que é metafísico, as explicações são baseadas em essências, princípios, causas ou leis invisíveis. No terceiro e mais alto estágio de desenvolvimento, a descrição científica é enfatizada sobre a explicação, e a previsão e o controle dos fenômenos naturais se tornam muito importantes. Em outras palavras, durante o estágio científico, o positivismo é aceito.

Comte usou o termo sociologia para descrever o estudo de como diferentes sociedades se comparavam em termos dos três estágios de desenvolvimento.

Segundo Comte, as crenças características de uma determinada fase tornam-se um modo de vida para as pessoas dentro de uma sociedade. São apenas alguns dos indivíduos mais sábios da sociedade que vislumbram o próximo estágio e começam a preparar o caminho para ele. Segue-se um período crítico durante o qual uma sociedade está em transição entre um estágio a outro. As crenças que caracterizam a nova etapa tornam-se então um modo de vida até que o processo se repita. Tal como acontece com uma mudança paradigmática na ciência, sempre há resquícios de estágios anteriores no recém-estabelecido.

Religião da Humanidade

No final da década de 1840, Comte discutia o positivismo como se fosse religião. Para ele, a ciência era tudo em que se precisava acreditar e tudo em que se deveria acreditar. Ele descreveu uma sociedade utópica baseada em princípios e crenças científicas e cuja organização era notavelmente semelhante à Igreja Católica Romana. No entanto, a humanidade substituiu Deus, e cientistas e filósofos substituíram os sacerdotes. Discípulos da nova religião seriam tirados das classes trabalhadoras e especialmente entre as mulheres.

A hierarquia das ciências

Comte organizou as ciências em uma hierarquia desde as primeiras desenvolvidas e mais básicas até as últimas desenvolvidas e mais abrangentes da seguinte forma:

  • matemática
  • astronomia
  • física
  • química
  • fisiologia
  • biologia
  • sociologia

É de especial interesse notar que a psicologia não apareceu na lista de ciências da Comte. Se o que se entende por psicologia é “a análise introspectiva da mente”, então Comte acreditava que a psicologia era um absurdo metafísico. A ciência, para Comte, tratava do que podia ser observado publicamente, e isso excluía os dados introspectivos. Ele tinha palavras duras a dizer sobre a introspecção, e ao dizê-las, ele se diferenciou essencialmente de todos os empiristas britânicos e sensacionalistas franceses que se baseavam quase exclusivamente na introspecção em sua análise da mente.

NEWSLETTER

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro − 2 =