fbpx

As 4 causas de Aristóteles

Quais são as 4 causas de Aristóteles?

Aristóteles, em sua filosofia, propôs a Teoria das 4 Causas para explicar a natureza e a existência das coisas. São elas:

  1. Material;
  2. Formal;
  3. Eficiente;
  4. Final;

1. Causa material

A Causa Material, segundo Aristóteles, refere-se à matéria da qual um objeto é feito. Ela busca responder à pergunta “do que é feito algo?”.

Exemplo

Para ilustrar o conceito, podemos considerar um exemplo clássico: uma estátua de bronze. Nesse caso, a Causa Material seria o bronze, pois é o material a partir do qual a estátua é moldada. Da mesma forma, se analisarmos uma mesa de madeira, a Causa Material seria a própria madeira.

2. Causa formal

A Causa Formal refere-se ao “quê” ou à forma específica que um objeto assume. Ela busca responder à pergunta “qual é a forma essencial deste objeto?”. Ela é o princípio que determina a matéria conferindo-lhe uma essência específica. [1]

Exemplo

Para entender a Causa Formal podemos imaginar novamente uma estátua de bronze. O bronze, por si, é uma matéria indefinida, podendo se tornar qualquer coisa. A forma é justamente o que irá determinar a matéria tornando-a uma coisa determinada.

Veja também: Matéria e Forma segundo Aristóteles

3. Causa eficiente

A Causa Eficiente busca responder à pergunta “como este objeto veio a existir ou sofreu mudanças?”. Em vez de se concentrar na matéria ou forma, ela direciona o olhar para o agente responsável por realizar a criação, transformação ou movimento de um objeto. E o movimento implica necessariamente a transição da potência para o ato.

Exemplo

O bronze, que possui potencialidade para se tornar uma estátua, só será transformado em tal por meio da ação de um agente em ato, como um escultor, que atua como causa eficiente de sua mudança. Outro exemplo: Leonardo da Vinci é a causa eficiente da pintura da Mona Lisa.

4. Causa final

A Causa Final é o propósito ou finalidade para a qual uma coisa foi feita. Podemos questionar: qual era o objetivo do escultor ao criar a estátua de bronze? Foi apenas com a intenção de produzir arte ou para seu sustento? Independentemente da resposta, é evidente que, sem um objetivo ou finalidade em mente, a estátua não existiria. Portanto, a finalidade de um ser também deve ser considerada uma causa.

Exemplo

Para ilustrar o conceito, considere o exemplo de um relógio. A Causa Final do relógio seria indicar o tempo de forma precisa e eficiente.

A Causa Final não se limita apenas aos objetos criados pelo ser humano. Aristóteles também aplicou esse conceito à natureza, argumentando que todos os seres têm uma finalidade intrínseca que contribui para a ordem e harmonia do universo. Por exemplo, as abelhas têm a finalidade de polinizar as flores, contribuindo para a reprodução de plantas.

A Causa Final também desempenha um papel fundamental na ética aristotélica. Aristóteles argumentava que, para entender o propósito da vida humana, era necessário identificar a Causa Final, ou “bem supremo” que seria a felicidade (eudaimonia).

Veja também: A felicidade segundo Aristóteles

4 causas de Aristóteles

Referências

REALE. Giovanni. Metafísica Aristóteles Vol II. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

 

Notas

  1. Não podemos confundir a forma metafísica com a forma geométrica, como retangular ou circular.

NEWSLETTER

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + 10 =